La era post-Chávez en Venezuela y América Latina

Diosdado Cabello(…..) Durante los 14 años de gobierno centralizado de Chávez y de su ferviente concentración de poder, instituciones democráticas se han deteriorado drásticamente en Venezuela. Pero no es probable que reconstruir la democracia y el imperio de la ley sea prioridad inmediata para ningún candidato del chavismo. Va a ser objetivo central, sin embargo, si Henrique Capriles llega a la presidencia. La mayor incertidumbre es si la política del país seguirá amargamente polarizada, como lo ha estado durante la mayor parte del período de Hugo Chávez, o si sus opositores y partidarios pueden empezar a encontrar áreas de compromiso y reconciliación. La polarización podría, por supuesto, empeorar y quizás llegar a período de fragmentación política y de inestabilidad, incluso a enfrentamientos violentos. Aunque Venezuela podría enfrentar una creciente inquietud y perturbación, la muerte de Hugo Chávez no tendrá mucho efecto sobre la dinámica de los grandes asuntos regionales. Sin su inquietante comportamiento, el ya predominante papel de Brasil en América del Sur puede ser modestamente reforzado. A pesar de que tiene un pequeño papel en las negociaciones, es poco probable que la muerte de Chávez afecte las perspectivas de un acuerdo de paz entre el gobierno colombiano y la guerrilla de las FARC. El cambio es más probable que ocurra en el frente económico. El apoyo de Venezuela a Cuba ha sido esencial para mantener la economía de la isla a flote. Si este apoyo llegara a ser detenido, Cuba podría enfrentarse a una crisis humanitaria. La ayuda directa venezolana también ha sido importante para varios países, entre ellos Nicaragua y Bolivia. Y ha sido uno de los pocos clientes de los bonos argentinos en los últimos años. Petrocaribe, el programa de Venezuela para ayudar a países pobres en energía del Caribe y América Central, ha brindado una asistencia crítica durante un difícil período de altos precios del combustible. Su pérdida será sentida. Sin embargo, no es del todo seguro que las iniciativas de ayuda de Venezuela serían drásticamente reducidas, al menos no a corto plazo, por un gobierno de oposición que, después de todo, querría mantener buenas relaciones en la región. Por cierto, Chávez ha sido un importante factor de irritación para los Estados Unidos, pero sus acciones, aunque preocupantes, han jugado papel secundario en decreciente influencia de Washington en la región. Mucho más responsables han sido los dramáticos cambios que han tenido lugar en América Latina en general, que se ha convertido en una región más fuerte económicamente, independiente políticamente y más firme a nivel internacional. El surgimiento de Brasil ha sido particularmente importante en este sentido. Estados Unidos también ha perdido influencia a causa de propios problemas económicos y presupuestarios, una debilitante polarización política y las distracciones de dos guerras en el extranjero. La muerte de Hugo Chávez ciertamente no va a restaurar la influencia de EEUU en América Latina.

Link: http://america.infobae.com/notas/64213-La-era-post-Chavez-en-Venezuela-y-America-Latina

Cristina Fernández de Kirchner’s letter to David Cameron

David CameronBuenos Aires, January 3rd, 2013

Mr Prime Minister David Cameron,

One hundred and eighty years ago on the same date, January 3rd, in a blatant exercise of the 19th-century colonialism, Argentina was forcibly stripped of Malvinas Islands, which are situated 14,000km (8700 miles) away from London. The Argentines on the Islands were expelled by the Royal Navy and the United Kingdom subsequently began a population implantation process similar to that applied to other territories under colonial rule. Since then, Britain, colonial power, has refused to return the territories to Argentine Republic, thus preventing it from restoring its territorial integrity. The Question of the Malvinas Islands is also a cause embraced by Latin America and by vast majority of peoples and governments around the world that reject colonialism. In 1960, the United Nations proclaimed the necessity of “bringing to an end colonialism in all its forms and manifestations”. In 1965, the General Assembly adopted, with no votes against (not even by United Kingdom), a resolution considering the Malvinas Islands a colonial case and inviting the two countries to negotiate a solution to the sovereignty dispute between them. This was followed by many other resolutions to that effect. In the name of the Argentine people, I reiterate our invitation for us to abide by the resolutions of the United Nations.

Cristina Fernández de Kirchner

President of the Argentine Republic

Cc: Ban Ki-moon, Secretary-General of the United Nations 

Link: http://www.guardian.co.uk/uk/2013/jan/02/cristina-fernandez-kirchner-letter-cameron

Bolivia: entre la Comunidad Andina y Mercosur

BOLIVIA(…..) Pero, ¿por qué la prisa ahora en adherirse al Mercado Común del Sur (MERCOSUR)? Unas razones serían políticas y otras económicas. En el plano político, Morales debe creer que sus intereses estarán mejor protegidos en el gran bloque mersosureño dominado por Brasil. No se fía de la Comunidad Andina de Naciones (CAN), pendiente de sus vaivenes y las conveniencias de sus socios con respecto a los arreglos con Europa y expectativas presentadas por la Alianza del Pacifico, a la que apuestan todos los ribereños (excepto Ecuador). En plano comercial, Bolivia planearía equilibrar relativa debilidad industrial al sublimar su vínculo con MERCOSUR hacia el que existentes relaciones de exportación aparecerían más hondas que con la CAN. Sus socios potentes (Brasil, Argentina y Venezuela) creerían que la ampliación les daría mayor fuerza en sus eternas negociaciones con la UE. Este complicado escenario revela que la hegemonía de Brasil se nota en los diversos movimientos de los países con los que tiene fronteras. Una ampliación progresiva (Ecuador sería el siguiente) de MERCOSUR dejaría para UNASUR el papel residual de foro negociación y consulta política y diplomática (por otra parte, efectiva). Este esquema inspirado por el Brasil cumpliría las ambiciones de Lula da Silva y Dilma Rousseff (y antecesores) y se limitaría a esa función, mientras el frente económico se canalizaría parcialmente a través de MERCOSUR y sobre todo independientemente mediante acuerdos con Estados Unidos, la UE y globales. La verdadera integración regional no ha sido nunca una prioridad de Brasilia, sea quien sea inquilino del Palacio de la Alborada y quiénes ocupen escritorios de Itamaraty. Mientras tanto, UE habría aprendido definitivamente las limitaciones de su estrategia de promocionar la integración regional en América para negociar sólidos acuerdos con sub-bloques, a los que ha estado subvencionando durante décadas, en parte para sublimar las excelencias de su propio modelo de integración. A la vista de los fracasos, Bruselas ha optado por la vía bilateral. Acuerdos en marcha con Colombia y Bolivia, la firma del compromiso con Centroamérica, además de la estrategia más ambiciosa con Brasil son ejemplos. Con este escenario, UE dialogará en Santiago de Chile el 26-27 de enero en el marco de la cumbre inter-continental. Allí se verá cuál es el papel de la CELAC, otra incógnita. Se esperará una respuesta acerca de la naturaleza verdadera de la integración regional. De momento, los augurios para que América Latina hable con un teléfono unitario (como se le exigió a la UE, en la expresión erróneamente atribuida a Kissinger) no son positivos. Siempre resonará una voz en (impecable) “portuñol”. Por otra parte, la UE tampoco no está para exigencias en cuanto a unión de criterios y propósitos.

Link: http://blogs.elpais.com/atlantis/2012/12/bolivia-entre-la-comunidad-andina-y-mercosur.html

América do Sul descobriu 100 bilhões de barris de petróleo na última década

Associação Latino-Americana de Integração Petroleira (ALIP)Na última década, foram descobertas reservas estimadas em cerca de 100 bilhões de barris de petróleo na América do Sul, levando os especialistas a acreditar que a região pode se tornar autossuficiente. O dado é do diretor executivo da Associação Latino-Americana de Integração Petroleira (ALIP), engenheiro petróleo Nicolás Honorato. A ALIP foi criada em 2009 para atender à crescente demanda de profissionais do ramo e para a troca de informações sobre o uso de tecnologia com o aumento das descobertas de petróleo na região. “Quase todos os dias são anunciadas descobertas de petróleo na América Latina. E a América do Sul vive momento histórico, porque além das descobertas convencionais surgiram o pré-sal, no Brasil, o gás de xisto, na Argentina, o aumento impressionante descobertas e produção de petróleo (convencional) na Colômbia”, disse Honorato à BBC Brasil. (Fonte: BBC – 17/12/2012)

O grosso das novas reservas, 80%, vem do pré-sal brasileiro. Os restantes 20% estão nos subterrâneos de países como Colômbia, Argentina, Bolívia, Equador, Uruguai, Peru e Paraguai. Na avaliação de Honorato, tais descobertas poderiam levar a região perto de se tornar autossuficiente. Tal opinião é compartilhada pelo ex-secretário Energia Argentina, Daniel Montamat, e o ex-vice-ministro da Bolívia, Carlos Alberto López. Além das descobertas de novos campos, eles também creditaram a previsão otimista à estabilidade econômica e política da região, apesar anúncios recentes nacionalização empresas estrangeiras, como foi caso YPF, controlada pela espanhola Repsol, na Argentina. Segundo Honorato, prova do potencial da região é o interesse demonstrado pelas empresas estrangeiras.

Para o especialista, muitas delas têm mirado América do Sul já que a produção em outras regiões do planeta, como no Mar do Norte, está em queda. “Todos os olhares do mundo petroleiro estão voltados para a América do Sul e para América Latina em geral por ser uma das regiões que mais tem anunciado descoberta reservas estimadas de petróleo”, destaca. Reservas do pré-sal brasileiro foram descobertas durante governo Lula. Para Honorato, grande parte do sucesso da região poderá vir do Brasil. Segundo ele, caso as reservas do pré-sal brasileiro, estimadas por ele em 80 bilhões barris petróleo e pelo governo brasileiro entre 70-100 bilhões barris, sejam realmente confirmadas, o Brasil passaria a ser o sexto país com as maiores reservas da matéria-prima no mundo, atrás de alguns países Oriente Médio e da Venezuela. Atualmente, Brasil tem reservas estimadas em aproximadamente 13 bilhões de barris, de acordo com a agência de energia dos Estados Unidos, e ocupa a 14ª posição mundial. Para López, da Bolívia, o segredo exploração ouro negro está no uso da tecnologia cada vez mais avançada. “A aplicação de novas técnicas e condições geopolíticas nos permitem dizer que ser uma região autossuficiente já não é mais apenas um desejo. Só não sabemos quando ocorrerá”. Daniel Montamat concorda e diz acreditar que a tecnologia será “decisiva” para que a região passe a ser potência petroleira. “A região como conjunto não é potência de petróleo e de gás porque reservas ainda precisam ser desenvolvidas”. “Mas Venezuela, por exemplo, por si só, já tem mais reservas provadas do que a Arábia Saudita”. Dados de 2011 da OPEP indicam que a Venezuela possui reservas estimadas em 297,5 bilhões de barris, enquanto as da Arábia Saudita alcançariam 265,4 bilhões de barris.

Recentemente, lembraram os especialistas, Uruguai e Paraguai anunciaram ter encontrado petróleo em seus territórios, apesar de o quadro ser ainda embrionário. Honorato também lembrou que a estabilidade política e econômica conquistada pela América do Sul nos últimos anos ajudou a atrair o interesse de empresas estrangeiras do ramo do petróleo e gás. “Empresas, principalmente, da Europa e do Canadá estão se orientando para a América do Sul e este movimento começou antes do pré-sal”. Para Honorato, a estabilidade econômica e política contribuiu para atrair empresas de óleo e gás. Apesar de ter mencionado o atraso nos leilões do pós-sal e do pré-sal no Brasil, Honorato afirmou que a situação hoje na região é muito mais favorável ao capital estrangeiro do que antigamente. Um dos exemplos, segundo ele, foi a Lei do Petróleo no Brasil, que acabou com monopólio da Petrobras, assim, permitiu exploração de campos por empresas estrangeiras. Honorato mencionou também que, em 2005, Colômbia mudou seu marco regulatório, despertando uma espécie “corrida ao ouro negro” do país. A expectativa é de que o país deixe de ser importador e passe a ser exportador de petróleo e, assim, como ocorre com Venezuela e Brasil, passe a desfrutar as maiores receitas geradas pelo combustível. Segundo ele, Equador também mudou marco regulatório e aumentou a chegada de investimentos no setor petroleiro. Peru, na sua avaliação, é um país que “ainda não decolou” e registra uma produção abaixo dos 50 mil barris diários.

Paraguay’s next government ‘must debate on whether to remain or abandon Mercosur’

Eduardo FelippoThe foreign minister Jose Felix Fernandez Estigarribia said Paraguay needs an open discussion on whether country should remain or not in Mercosur, particularly since the issue has become extremely divisive. However discussion must be addressed by the elected government that takes office in August 2013. “The new government must define our permanence or not as full member of Mercosur. This is a pending debate since in the Paraguayan public opinion there’s a growing feeling, probably a majority who oppose Mercosur. This is so in the business community and even some presidential hopefuls support the idea”, said Fernandez Estigarribia. The minister said that the debate on the issue is a task for the government after April 2013 elections: “we have to be very careful about what we finally do, taking into account all interests, of all the sectors from Paraguay”. Fernandez Estigarribia revealed that once a month his ministry brings together representatives from different chambers which is when “we have a good idea what business and manufacturing community thinks, and they are divided, there are some pushing to exit Mercosur as full member and others against it”. Precisely last week on occasion of the end of the year gathering the head of Paraguayan Industrial Union, UIP Eduardo Felippo said the future of Mercosur was ‘uncertain’. Among the authorities there present was President Federico Franco. “Paraguay must open to the world; we must accept Mercosur has not meant positive results, rather the contrary, it has us in a slow persistent anaesthesia to extent we didn’t realize that the others were growing vigorously (Chile, Peru), we were stalled and dying happily”, said Felippo emphasizing that if in 20 years no real integration was achieved, much less under current circumstances with the Paraguay suspended from the group. He added that in twenty years Mercosur has not materialized a single integration process of relevance, not even with European Union could we reach an agreement on trade. And how can this be achieved now when we have Venezuela among us, a country dedicated to blast its own production machinery?” (source: MercoPress.com – 17/12/2012)

Dilma chega à Rússia para “reforçar a família dos Brics”

O Novo BrasilA estadia da presidente Dilma Rousseff na Rússia, até o próximo sábado, deverá ser uma oportunidade para que brasileiros e russos possam não apenas estreitar laços econômicos, como também reforçar a estrutura dos Brics, bloco de economias emergentes formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. É essa a opinião de analistas ouvidos pela BBC Brasil em relação à estadia da presidente Rousseff à Rússia. Ela chegou ao país na madrugada desta quinta-feira. É a primeira visita de Dilma à Rússia, que era a única nação a integrar os Brics que ela ainda não havia visitado. (Fonte: bbc.co.uk – 13/12/2012)

Para o americano Riordan Roett, cientista político Universidade Johns Hopkins e brasilianista, que lançou no ano passado o livro The New Brazil (O Novo Brasil), a visita visa ”reforçar a família dos Brics”, no que diz ser um momento de dificuldade para todos os países do bloco. ”O conceito dos Brics vem sofrendo ataques”, comenta Roett, já que, em contraste com a imagem dinamismo de anos atrás, ”o Brasil enfrenta crescimento lento, a Índia padece de paralisia política, a África do Sul já mostrou que não deveria pertencer ao bloco e Rússia e China enfrentam transições políticas lentas e previsíveis”. Banco dos Brics deverão ser tema central da agenda bilateral de Brasil e Rússia em Moscou, avalia Adriana Abdenur, coordenadora geral do instituto BRICS Policy Center e professora do Instituto de Relações Internacionais da PUC-Rio. Um dos motivos, diz ela, é que a próxima reunião do bloco está prevista para ocorrer em breve, mais especificamente em março do ano que vem, Durban, na África do Sul.

E o próximo encontro poderá referendar proposta feita recentemente, a de criar banco comum investimentos, uma proposta feita pelos indianos e que os anfitriões sul-africanos desejam ver se materializar ainda durante a cúpula. ”Os russos têm uma posição meio ambígua, a de que talvez não haja interesse em que a coisa saia do papel em questão de meses. Eu percebo no Brasil também certa hesitação quanto ao prazo. Brasil já tem BNDES, qual seria a clientela desse banco, quais as linhas de crédito?”, avalia Abdenur. A Rússia assumirá a presidência rotativa do G20 em 2013, e países emergentes, como o Brasil, a Rússia e a China, têm feito do grupo uma tribuna para defender seus interesses em contraponto aos das grandes potências tradicionais. Essa ”agenda emergente” é compartilhada, em diversos temas, por Brasil e Rússia. Os países do grupo, afirmam Abdenur e Roett, estão de acordo em tópicos como a necessidade de reformar as estruturas de instituições multilaterais como Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial e o bloco do G20. A reforma na governança dessas instituições constará dos temas das conversas entre Dilma e o primeiro-ministro Dmitri Medvedev, nesta quinta-feira, e com presidente Vladimir Putin, na sexta, conforme revelou o Itamaraty. Os analistas compartilham, no entanto, do ceticismo de que Dilma conseguirá junto aos colegas russos grandes avanços em relação à pretensão brasileira de obter um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU, posição da qual a Rússia desfruta. A agenda moscovita de Dilma vai conciliar tanto o simbólico como o prático. No mesmo dia em que ela colocará flores no Túmulo do Soldado Desconhecido, Dilma fará o discurso de encerramento do 2º Fórum Empresarial Brasil – Rússia. Além da presidente e de seus ministros, cerca de 80 empresários brasileiros de setores que vão da biotecnologia ao turismo estão na Rússia para participar do fórum e buscar parcerias. Mas a avidez por negócios e parcerias seria, na visão analistas ouvidos pela BBC Brasil, mais sinal de apreensão do que indicações de que ambos atravessam uma boa fase.

Para Roett, Brasil e Rússia estão tendo desempenhos decepcionantes e, portanto, estariam se voltando para firmar laços econômicos como uma forma de compensar o fato de estarem ”levemente desesperados”. A dupla de acadêmicos não crê que a estimativa de crescimento russo para este ano, de cerca 3% superior, portanto à brasileira, projetada para ficar na faixa de 1%, seja motivo para celebração em Moscou ou suficiente para despertar inveja em Brasília. Para Adriana Abdenur, não houve inversão de papéis, como apontaram alguns, entre o promissor Brasil e a, até outrora, letárgica Rússia. ”Não diria que houve inversão de papéis. Dois países se encontram em momentos parecidos. A desaceleração brasileira pode ser momentânea. O crescimento russo é inferior ao do país no mesmo período do ano passado”. Atualmente, o comércio entre os dois países é de US$ 7,16 bilhões (cerca de R$ 15 bilhões), tendo crescido 357% entre 2001 e 2011. Dilma chega à Rússia acompanhada dos ministros das Relações Exteriores, Antonio Patriota, do Ministro da Defesa, Celso Amorim, do titular da pasta da Educação, Aloísio Mercadante e do Ministro da Indústria e Comércio, Fernando Pimentel. Os dois países discutirão ainda a participação instituições ensino russas no programa Ciências sem Fronteiras e procurarão compartilhar experiências na realização de megaeventos esportivos. O Brasil sediará a próxima Copa do Mundo, em 2014, e a Olimpíada de 2016, ao passo que a Rússia será o país-sede da Copa de 2018 e realizará a Olimpíada de Inverno de 2014.

Hugo Chavez’s legacy: Failing to prepare Venezuela for the next leader

Nicolás Maduro“This Revolution does not just depend on one person,” Chavez told Venezuelans in a television address Saturday night. Sadly for Mr. Chavez, that claim may soon be tested. 58-year-old caudillo, who has been suffering since early last year from an undisclosed form of cancer, has returned to Cuba for more surgery, is sick enough to have named a successor in the event he is unable to remain in office. Mr. Chavez’s incapacitation could tip Venezuela, one of largest U.S. oil suppliers, toward a prolonged period of turmoil or even violence. If so, it will be due not so much to his illness but to the breathtaking irresponsibility with which he has responded to it. Mr. Chavez did not tell Venezuelans he was ill until after he had already undergone at least one cancer surgery in Cuba; to this day he has not said what type of cancer he has or what his prognosis is. Twice he has declared himself fully cured, most recently when he launched this year a campaign for a new six-year term as president. Almost immediately after his victory in the Oct. 7 vote, Mr. Chavez disappeared from view, a strong indication that he deceived the millions of voters who supported him. Hugo Chavez is now saying that his longtime foreign minister, Nicolas Maduro, should succeed him. But he cannot appoint him to office: Venezuela’s constitution says that if the president dies or is forced to leave office, new election for president must be held within 30 days. There is no guarantee Chavez’s populist movement can hold together after his death or that Mr. Maduro could defeat a challenger from Venezuelan opposition. Polls have consistently shown that the opposition candidate in October election, Henrique Capriles Radonski, could defeat any government nominee except for Chavez. Mr. Hugo Chavez has meanwhile ensured that whoever succeeds him will inherit a daunting mess. To win the election, government spent wildly, running up a budget deficit of 20% of gross domestic product. Next president consequently will be forced to devalue the currency, giving a boost to inflation that is already in double digits and worsening already-severe shortages of consumer goods. That’s not to mention tidal wave of violence that has overtaken the country: Venezuela’s murder rate is now one of the highest in the world. In 14 years in power, Chavez has thoroughly wrecked what was once Latin America’s richest country, one of its most enduring democracies. Now, thanks to his dishonesty about his health, he could create a vacuum in which Venezuelans have 30 days to decide on a leader to inherit catastrophe he created. (Editorial Board – The Washington Post – 11/12/2012) 

Seguir

Recibe cada nueva publicación en tu buzón de correo electrónico.